Essa semana fiquei pensando em como foi longa a minha jornada até aprender escrever textos que vendem em blogs.

No início, era difícil se desvincular da estrutura de texto que aprendemos na escola (que não é a ideal para vender). Com o tempo, todo escritor de blog focado em vendas acaba percebendo o que funciona e o que é perda de tempo.

Hoje, separei dez dicas para produzir textos que vendem, pensando em ajudar você que ainda está começando um blog para sua empresa. Pega aí!

1 – A pauta criada para agradar a você mesmo

É bem normal que você acabe criando pautas para o blog de acordo com seu gosto pessoal.

Inclusive, julgando se um tema é bom ou ruim a partir do que você espera, esquecendo que os temas devem agradar ao leitor.

Por isso que você tem que fazer o exercício de sempre questionar se os temas que está propondo para o blog são realmente do interesse da sua persona. Ainda mais: além de agradá-la, se irá ajudá-la de alguma forma com suas dúvidas.

2 – O texto bonito mas que não vende nada

Escrever para vender um produto, serviço ou até uma ideia é ter empatia pelos outros.

Ao exercitar a empatia, você consegue entender melhor o que as pessoas esperam do seu conteúdo quando estão buscando por uma solução.

O “conteúdo de valor” que todo mundo fala é exatamente isso. Escrever pensando em realmente ajudar o seu público-alvo, para que eles enxerguem valor em sua empresa, marca, serviço ou produto.

A beleza do texto e a gramática perfeita não vão convencê-los a comprar nada, porque não vão ajudá-los em nada.

3 – O planejamento que todo mundo “esquece”

Falar em planejamento já assusta todo mundo.

É verdade que leva certo tempo para desenvolver uma estratégia clara para um blog vendedor. Tem que estudar o público, o mercado, o que funciona e não funciona, o que dá para fazer, criar calendário editorial, pesquisa de palavras-chave

Só que esse tempo investido inicialmente faz toda a diferença depois.

É muito melhor dedicar-se agora e ter clareza dos objetivos e metas do que começar a escrever sem um norte. Porque se você fizer isso, quando for olhar os resultados depois de alguns meses, não terá nada.

4 – O conteúdo produzido sem objetivo

Esse tópico é resultado do anterior. Sem um planejamento, fica mais difícil ainda entender o porquê de você estar escrevendo.

O texto é para vender? E vender o quê? Para quem? Essa pessoa já quer comprar? Você realmente quer vender ou só divulgar uma marca?

Se esse objetivo não estiver claro quando você for escrever, então é melhor nem começar. No final das contas, blog post que não cumpre o seu papel é tempo e dinheiro perdidos.

5 – A opinião que dá medo de pedir

Sabe quando a gente pede para alguém ler nosso texto e a pessoa diz que não gostou? Essa é uma sensação bem ruim, mas extremamente necessária.

Você só melhora ouvindo o que os outros tem a dizer sobre seu conteúdo. Afinal, a sua experiência de vida não é a mesma dos demais e essa diferença é o que agrega no valor de um texto.

Claro, tenha um filtro, nem todas as opiniões estarão certas. Seja crítico também, convicto da sua estratégia.

6 – O vilão chamado bloqueio criativo

Essa dica é bem objetiva mesmo: não deixe o bloqueio criativo te impedir de escrever textos que vendem.

A frequência de publicação do seu blog não pode parar e seu público não vai esperar até que a criatividade resolva voltar. Bloqueio só se quebra escrevendo, muito.

Por isso que a dica é objetiva: escreva muito. Só a prática vence os dias em que estamos sem criatividade alguma.

7 – As opiniões negativas que podem ser positivas

É comum que você já tenha opiniões negativas formadas sobre determinados assuntos. Porém, para criar um texto que traga resultados em suas vendas, você precisa quebrar essas opiniões.

É realmente difícil entender o público quando colocamos empecilhos, achando isso ou aquilo. A melhor forma de se aproximar das dores de alguém e convencê-lo do seu propósito é abrindo sua própria mente.

Sempre gosto de contar sobre uma de minhas amigas, publicitária, que odeia Crocs. Pois o destino a colocou em uma agência que fazia as campanhas da Crocs. Eu ri, ela riu, deu o braço a torcer e deixou de lado sua opinião negativa.

Criar textos que vendem está ligado a opiniões neutras ou positivas, nunca negativas.

8 – A procrastinação disfarçada de pesquisa

Se tem algo que atrapalha muito na produção de um conteúdo é a pesquisa desvirtuada.

Se você usar três horas do seu dia para realmente se aprofundar em um tema e escrever um texto magnífico, isso é ótimo.

Mas se você usar três horas do seu dia para pesquisar sobre o tema e acabar desviando o foco para curiosidades e redes sociais, é tempo perdido.

Uma experiência minha: há pouco tempo precisei escrever um conteúdo sobre bichectomia, um procedimento estético. No processo de pesquisa, demorei para me dar conta de que estava havia meia hora olhando fotos de antes e depois de famosos que fizeram essa cirurgia.

De fato, olhar tantas fotos por meia hora me ajudou a dar mais credibilidade e profundidade ao texto? Não. 🙁

9 – A mania de fazer a mesma coisa que os concorrentes

Com tanta gente se dedicando ao marketing de conteúdo em blogs, o que não falta é referência para usar. Aí é que está o ponto: referência não é a mesma coisa que fazer igual.

O que difere o seu conteúdo daqueles que estão na primeira página do Google se você irá falar exatamente a mesma coisa? Nada.

Lembre-se que, ao publicar um post novo, sua página não tem a mesma popularidade e autoridade das que já estão posicionando bem há bastante tempo.

Ou seja: se o seu texto não traz nada de diferente para o usuário, o mecanismo de busca vai considerá-lo menos importante que os outros que já estão lá.

10 – A mania de não fazer a mesma coisa que os concorrentes

Agora confundiu um pouco? A intenção é essa mesmo. Assim como copiar exatamente tudo o que está nos conteúdos da primeira página do Google é ruim, não usá-los de referência também é.

Afinal, quem ocupa as principais posições está fazendo certo. Certo?

O ideal é oferecer ao usuário tudo o que esses blog posts oferecem e mais um pouco. É pensar diferente e igual ao mesmo tempo. Se a fulana falou de batatas, você precisa falar de batatas E de cenouras.

Conclusão

O resultado que você espera depende da clareza dos objetivos do blog e da escrita pensada para o público.

Uma boa prática para se questionar se o seu texto faz sentido é usar as seguintes perguntas:

  • Para quem é o texto?
  • Qual o objetivo do texto?
  • O que precisa estar nesse texto?
  • Em que etapa do funil de vendas está esse texto?
  • Onde esse texto se encaixa na estratégia geral?
  • Como precisa ser a linguagem do texto?

Essas são as dicas mais práticas e mais importantes para escrever textos que vendem.

Agora…escreva muito para praticar e acompanhe os resultados! 🙂