Antes de trabalhar com Marketing de Conteúdo, eu era jornalista e fazia parte da redação de um jornal impresso e online. Eu nunca tinha ouvido falar sobre escrita persuasiva.

Até onde sei, isso não aconteceu só comigo: poucos jornalistas aprendem técnicas para este tipo de escrita. Na verdade, aprendemos o contrário na faculdade: a escrever da forma o mais imparcial possível, mantendo a neutralidade.

No manuais tradicionais de escrita jornalística, a regra é que o escritor não deve se colocar no texto. Ele não deve “aparecer”. Deve evitar usar adjetivos e fugir de termos que deem um tom mais pessoal e coloquial para o texto.

Estou trazendo este relato porque, assim como eu, talvez você tenha esse mesmo background ou ainda carrega aquelas regrinhas de texto da época em que estava na escola, escrevendo redações para o vestibular.

E agora você está aqui, se aventurando no universo do Marketing de Conteúdo e quebrando a cabeça para entender por que seus textos não convertem e não geram vendas.

O que eu tenho a dizer é que, infelizmente, muito do que nos ensinaram sobre escrita não funciona mais. Pelo menos, não para nos ajudar a atingir os resultados que a gente espera.

O caminho para escrever melhor na internet é mudar o mindset. Estudar novos formatos, praticar muito e usar técnicas de escrita persuasiva que já foram testadas por outros escritores e se mostraram efetivas.

Afinal, o que é escrita persuasiva?

Não é muito difícil inferir o que significa escrita persuasiva. Pelo próprio nome, você entende que é um estilo de escrita que usa técnicas de persuasão para convencer o leitor de algo.

Quer dizer, é algo muito diferente daquilo que eu aprendi na faculdade de Jornalismo, como falei antes. Na escrita persuasiva, não existe imparcialidade e neutralidade. Pelo contrário: suas palavras são estratégicas e servem a um propósito.

Na escrita persuasiva, você mostra aos seus leitores e potenciais clientes que tem um ponto de vista a apresentar. Seu conteúdo não é vão; ele agrega alguma coisa.

Nesse sentido, posso dizer que as duas principais razões para uma pessoa que quer vender algo utilizar a escrita persuasiva em seus textos na internet são de ordem emocional e moral.

Como assim?

  • Emocional porque a maioria das pessoas toma decisões baseadas em emoções. Então, você deve produzir conteúdos que se conectem com seus leitores em um nível mais “profundo”.
  • Moral porque as pessoas desejam comprar de empresas que tenham crenças semelhantes às delas. Essa abordagem torna cada venda mais significativa, de modo que seus clientes se sentem bem ao comprar de você.

Dito isso, dá para entender por que as técnicas de escrita persuasiva são um dos pilares do Copywriting, que é justamente a estratégia de criação de conteúdo usada no Marketing para que o texto converta em resultados.

4 técnicas de escrita persuasiva

Até aqui foi tranquilo de entender o conceito de escrita persuasiva, certo? Mas sei que muita gente tem dificuldade de aplicá-la em seus textos; sempre foi o meu caso, por conta daquele background jornalístico.

A boa notícia, conforme comentei antes, é que algumas técnicas já foram testadas exaustivamente e mostraram que funcionam. Então, você pode utilizá-las como ponto de partida para exercitar a escrita persuasiva.

Veja 4 exemplos:

1. Use um tom de conversa coloquial

Construir relacionamento com os clientes é uma estratégia antiga dos vendedores para aumentar as chances de fechar uma venda. Eles sabem que as pessoas gostam de comprar de amigos.

Então, você pode replicar esta abordagem nos seus conteúdos usando um tom coloquial que se conecta com seus leitores em um nível emocional e pessoal.

Pega a dica: se você quer construir um relacionamento com seus leitores, escreva de um jeito parecido com o que você fala no dia a dia. Não tenha medo de usar referências pessoais e estruturas de frases naturais.

Fuja do estilo tradicional de escrita corporativa e use palavras e construções de frase que sejam fáceis de entender.

2. Use elementos de Storytelling

A melhor forma de estruturar um conteúdo para prender a atenção do leitor é em forma de narrativa, usando histórias e linguagem visual, conforme as dicas de Storytelling sobre as quais já falamos aqui no Blog de Marca.

O Storytelling age justamente em um nível mais profundo da psicologia humana, acionando emoções no leitor através de histórias cativantes e envolventes.

É por isso que a gente maratonas filmes e séries por horas e nem vemos o tempo passar.

E se o objetivo é criar envolvimento, tenho uma outra dica para deixar a narrativa ainda mais fluida e atrativa: usar palavras de transição. São aqueles termos que conectam ideias (por ex.: contudo, além de, por isso, por outro lado, afinal etc) e deixam o texto menos “duro”, sabe?

3. Cuide a legibilidade

Não importa quais são os produtos ou serviços que você oferece – o que seus clientes querem quando acessam seu conteúdo é encontrar respostas para suas perguntas ou soluções para suas necessidades rapidamente.

Lembra que os estudos dizem que a maioria das pessoas na internet faz uma leitura dinâmica dos textos, passando o olhando rapidamente para achar as informações que interessam?

Por isso, é importante usar “gatilhos visuais” ao longo do conteúdo para chamar a atenção dos seus leitores. Por exemplo:

  • Títulos com palavras e frases emocionais para acionar a curiosidade;
  • Subtítulos para ajudar o leitor a encontrar os tópicos mais importantes do conteúdo;
  • Parágrafos curtos com até 2 ou 3 frases para não espantá-lo com blocos gigantes de texto;
  • Bullet points para organizar e facilitar a visualização de informações rápidas;
  • Imagens para dar um “respiro” no meio do conteúdo e mostrar conceitos abstratos.

4. Mostre os benefícios primeiro

Por fim, muita gente cai na na armadilha de falar das características dos seus produtos ou serviços em vez dos benefícios que eles trazem aos clientes.

Só que, no estilo de escrita persuasiva, você precisa levar em consideração o espaço limitado e o tempo limitado que os leitores têm para consumir seu conteúdo.

Então, quando for escrever para divulgar o que você tem a oferecer, pense sob a perspectiva de seus clientes. Fale sobre as vantagens que eles terão ao escolher a sua empresa em vez da concorrência.

Lembre o que falamos antes: despertar emoções gera ações.

Conclusão

Não é fácil dominar a arte da escrita persuasiva, mas é perfeitamente possível aumentar as conversões e expandir suas vendas através de textos.

Então, antes de tudo, esqueça aquelas técnicas convencionais de redação que você achava ser corretas se elas não forem estratégicas.

A escrita persuasiva não está muito preocupada com gramática e regras ortográficas do português; trata-se muito mais de comportamento humano.

Concentre seus estudos neste campo do conhecimento e pratique muito até entender a mente dos seus leitores. 😉