Se você é um empreendedor com algum tempo de estrada, sabe bem que conhecer seu público é um fator decisivo para o sucesso do negócio.

Mas será que você entende profundamente seus clientes? Conhece seu estilo de vida, seus hábitos e gostos? Consegue identificar seus medos, anseios e preocupações?

Mais do que isso: será que o produto ou serviço que você oferece são mesmo úteis para as pessoas que quer atingir?

Levantar questões como essas, respondê-las com propriedade e selecionar as informações mais relevantes para definir o perfil de seu cliente ideal é o que chamamos de criação da persona, um dos pontos essenciais em uma estratégia de Marketing de Conteúdo.

Persona ou público-alvo?

Quem estuda marketing há mais tempo já deve estar familiarizado com o termo “público-alvo”. Ele designa o perfil de consumidor possivelmente interessado em seu serviço ou produto, para o qual suas mensagens devem se destinar.

Embora seja um conceito muito semelhante ao de persona, o público-alvo é mais genérico. Quando você pensa em “perfil de consumidor”, geralmente traça as características de um grupo, como neste exemplo abaixo:

Mulheres casadas, com filhos, que trabalham em funções administrativas e pertencem à classe B, na faixa etária de 30 a 40 anos.

Como você pode ver, definir o público-alvo dá uma ideia de quem você gostaria de atender e para onde direcionar seus esforços, mas as definições são bastante amplas.

A persona, por sua vez, é bem específica. É uma personagem que você cria — o seu cliente ideal —, a quem você atribui nome, idade, profissão, rotina, hobbies, desejos, preferências e qualquer outro detalhe possível sobre sua vida. Veja só:

Cristina, 37 anos, trabalha como gerente administrativa em uma loja de calçados e ganha cerca de R$ 4.000. Tem um filho de cinco anos e está no 6º mês da segunda gestação. Está montando seu enxoval e, nos finais de semana e intervalos do trabalho, visita lojas físicas para ver roupas de bebê. Gosta de passear especialmente na Rua 25 de Março, onde costuma encontrar itens bons e baratos.

Perceba que, com esses dados, a noção sobre o comportamento do seu cliente se amplia? Você consegue pensar com a cabeça dele, captar suas emoções e planejar ações muito mais efetivas para atingi-lo.

Esse tipo de estratégia, centrada na experiência e nos interesses do consumidor, é cada vez mais importante para quem deseja aumentar suas vendas no cenário atual. Afinal, as pessoas estão mais informadas e exigentes do que nunca e não aceitam mais qualquer discurso de vendas.

Como criar uma persona?

Criar uma persona para sua marca não é tarefa simples. Como deve ser a representação mais fiel possível do seu cliente ideal, essa personagem não pode ser criada com base em achismos ou suposições.

Você precisa obter informações precisas a respeito do seu público e a internet oferece diversas opções para facilitar seu trabalho — enquetes e ferramentas de análise de site, blog ou redes sociais, como Google Analytics e Facebook Insights, são alguns exemplos.

A observação do comportamento do público no ambiente online também é uma ferramenta poderosa para te ajudar a criar sua persona. Ao ler conversas, comentários e interações de seus clientes dentro e fora de suas páginas, você entende melhor como ele pensa, age e sente o mundo, ganhando diversos insights.

Outro método muito eficaz é a boa e velha entrevista. Quer maneira melhor de entender seu cliente do que conversando diretamente com ele?

A entrevista é uma metodologia especialmente útil para quem já tem uma clientela fiel à marca na “vida real” e deseja fortalecer sua reputação ou construir relacionamentos também no ambiente digital.

Ok, criei minha persona. E agora?

Depois de coletar, reunir e filtrar os dados, informações e insights relevantes sobre seus clientes, você tem em mãos uma ficha da sua persona. Agora sim, você tem clareza sobre quem é, do que gosta e como vive seu cliente ideal.

Mas e aí, o que fazer com todas essas informações?

De nada adianta realizar um trabalho tão extenso e deixar sua persona esquecida em um documento qualquer, sem utilização prática, concorda?

O que você tem que ter em mente aqui é que sua persona deve ser um norte para você tomar decisões e direcionar suas ações. Ela serve para te ajudar a criar e divulgar o conteúdo certo, na hora certa e na plataforma mais adequada.